Jesus acreditava na imortalidade da alma e no castigo eterno dos perdidos (Mt 10.28): Compreendendo a natureza e o destino humanos

O texto de Mateus 10.28 pode ser considerado um perfeito resumo de tudo aquilo que as Escrituras ensinam acerca da natureza e destino humanos. Nesse versículo podemos ver, claramente, que nosso Senhor acreditava na imortalidade da alma e na implicação natural dessa doutrina, a ideia do tormento eterno dos maus. Nas vinte e duas páginasContinuar lendo “Jesus acreditava na imortalidade da alma e no castigo eterno dos perdidos (Mt 10.28): Compreendendo a natureza e o destino humanos”

O termo “dormir” para os mortos : Um mero simbolismo, nada mais…

Na maioria das culturas, é bastante comum que as pessoas, ao se referirem a alguém que morreu, digam: “Fulano está dormindo“. Para qualquer um de nós, tal expressão não passa de uma figura de linguagem, cujo significado é: “Fulano está morto“. Foi por causa das semelhanças entre um cadáver que se encontra deitado e imóvelContinuar lendo “O termo “dormir” para os mortos : Um mero simbolismo, nada mais…”

Os salvos que já morreram ainda não se encontraram com o Senhor? (1Ts 4.13-18) : Compreendendo o destino humano

Conforme algumas pessoas, o ser humano não possui nenhuma porção espiritual e imortal, que permaneceria consciente após a destruição do corpo. Por causa dessa concepção antropológica, a morte é vista como um estado de literal inexistência, inconsciência, seja para salvos, seja para perdidos. Para apoiarem semelhante ponto de vista, apelam para diversos textos bíblicos, comoContinuar lendo “Os salvos que já morreram ainda não se encontraram com o Senhor? (1Ts 4.13-18) : Compreendendo o destino humano”